Pular para o conteúdo principal

Resenha: Avaliação no processo ensino aprendizagem (ESTEBAN, Maria Teresa).



1. Após ler o artigo A AVALIAÇÃO NO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM: OS DESAFIOS POSTOS PELAS MÚLTIPLAS FACES DO COTIDIANO, (ESTEBAN, Maria Teresa), responda com embasamento no que foi apresentado:*

A)   Quanto à delimitação de cotidiano, comente criticamente o que a autora nos apresenta neste artigo.

A autora inicia o seu artigo dando uma definição para cotidiano. Segundo ela, cotidiano é “uma palavra que lembra rotina, hábito, constância, repetição”. Muitas pessoas não gostam de rotina, alegando que é uma coisa chata, uma mesmice entediante.

Na verdade, tudo e todos têm o seu cotidiano, seus hábitos, a sua rotina. O cotidiano além de necessário é importante para a segurança do ser humano. O que seria de nós se não tivéssemos ideia de como seria o dia de amanhã? Apesar de não ter conhecimento dos detalhes do que acontecerá amanhã tenho uma base suficiente que me deixa tranquilo.

Na escola não é diferente. O cotidiano escolar nos possibilita antever alguns problemas e como devemos nos preparar para enfrentar esses problemas. No entanto, precisamos ter cuidado com essa “previsibilidade” e não nos deixarmos enclausurar nos limites que o cotidiano nos impõe. É justamente disso que a autora trata quando se refere à delimitação do cotidiano.

O professor precisa ter a capacidade de superação. Ele precisa superar os limites do cotidiano. Ele precisa superar a si mesmo e com isto estabelecer com sua capacidade superativa um cotidiano que possibilite a aprendizagem de seus alunos.

B)   Quanto à complexidade do processo ensino/aprendizagem que se revelava naquela turma que não queria ou podia se enquadrar numa relação pedagógica fundamentada na ideia de ensino como transmissão de conteúdo, de aprendizagem como recepção e armazenamento do conteúdo transmitido e de avaliação como meio para quantificar quanto do transmitido foi armazenado e pode ser reproduzido.

Parece que a experiência vivenciada por esses educadores nessa turma em especial foi algo extremamente enriquecedor. Enriquecedor não apenas para eles, mas também para nós que temos acesso a essa história, e que muito aprendemos com ela.

Segundo a autora “O processo dessa turma indicava a insuficiência da avaliação como prática de classificação e, simultaneamente, revelava a potencialidade de uma avaliação realizada como uma prática de investigação, sobretudo por sua ambivalência e pela complexidade do processo ensino/aprendizagem”. Isso mostra o quanto o processo de avaliação é complexo e que nem sempre pode ser aplicado como na tendência tradicional de aplicação de provas.

A autora em sua pesquisa também mostrou que “a avaliação foi sendo trabalhada como uma prática que traz ao mesmo tempo os saberes e os não-saberes de quem ensina e de quem aprende, mostrando que não é só a professora quem ensina, nem é só o/a aluno/a quem aprende. Avaliando as crianças, as professoras também se avaliam”. Essa afirmativa de que aluno ensina ao aprender e que professor aprende ao ensinar é uma conclusão que Paulo Freire já havia chegado há algumas décadas e, que revolucionou a relação professor/aluno.

 

C)   Em: “O novo se anunciava e, simultaneamente, o não saber das professoras ganhava visibilidade. Não eram apenas as crianças que não sabiam o que deveriam saber; as professoras corajosamente assumiam que os conhecimentos que tinham sobre o processo ensino/ aprendizagem eram insuficientes para atender ao processo de todas as crianças.” Qual a concepção de avaliação proposta por ESTEBAN nesta afirmativa, comente.

 

Nesta afirmativa, ESTEBAN propõe um rompimento com a maneira tradicional de avaliação. Ela propõe que uma única maneira de avaliar todos os alunos se mostra ineficaz. Que os professores precisam entrar no mundo dos alunos para entendê-los melhor e, dessa forma, verificar sua aprendizagem através de um sistema de avaliação mais assertivo.

É muito forte a afirmativa que a autora faz dizendo que “as professoras corajosamente assumiam que os conhecimentos que tinham sobre o processo ensino/ aprendizagem eram insuficientes para atender ao processo de todas as crianças.” É como se cada criança necessitasse de um processo de avaliação especifico para ela.

O mais curioso nessa constatação que a equipe de professoras chegou é que tudo começou a partir de uma série de problemas que parecia não ter fim. Veja como ESTEBAN apresenta isso: “O caos criou espaço para que novas possibilidades fossem pensadas, discutidas, elaboradas. Era preciso ousar, correr riscos, construir novos procedimentos”. O caos deu lugar a novos paradigmas. O que parecia insolúvel tornou-se a resposta para questionamentos que desafiam a inteligência de vários educadores.

Parece que o segredo dessa nova proposta de avaliação feita pela autora é a atitude do profissional da educação de sempre estar aberto para novos caminhos e outras possibilidades não convencionais. Os professores dessa história, segundo ESTEBAN “Reconheciam que sabiam muitas coisas, e coisa importantes, mas reconheciam também que precisavam ampliar seu conhecimento para que a escola pudesse ser significativa para todas as crianças que a frequentam. Viviam uma situação em que era explícito o diálogo permanente entre conhecimento e desconhecimento”.

 

D)   Quanto a Avaliação e formação docente relate o que a autora argumenta sobre estes dois elos.

O argumento da autora no que diz respeito à avaliação é que os professores não podem andar com uma viseira no rosto pensando que todos os alunos, ou que todas as turmas são iguais. É o que ela chama de “heterogeneidade das turmas” Segundo a autora, esses profissionais devem admitir claramente o que consideram importantes, e “trabalhar assumindo a complexidade do processo ensino/aprendizagem”.

A experiência apresentada pela autora mostra que o processo educativo da turma mencionada em seu relato indicava índices avaliativos insuficientes como prática de classificação e, ao mesmo tempo, apontava o potencial que existia de uma avaliação realizada como uma pratica a ser descoberta pela complexidade do processo ensino/aprendizagem. Veja o que a autora relata acerco disto: “A avaliação foi sendo trabalhada como uma prática que traz ao mesmo tempo os saberes e os não-saberes de quem ensina e de quem aprende, mostrando que não é só a professora quem ensina, nem é só o/a aluno/a.

Quem aprende. “Avaliando as crianças, as professoras também se avaliam; indagando sobre o processo de aprendizagem, também indagam sobre o processo de ensino”.

Quanto à formação docente, a autora acredita que o professor precisa estar sempre se formando. O seu argumento é que o educador não pode ser um ser acabado, porém, inacado. Que esteja aberto a novas possibilidades, que busque sempre novos conhecimentos. Isso fica claro quando ela argumenta que “A reflexão sobre a decisão tomada sobre um caso particular – não reprovar a turma – provocou uma reflexão sobre a realidade da escola, indicando a necessidade de mudança e revelando a incerteza como parte relevante do processo de construção de novos Conhecimentos”.

Por fim, a autora salienta a necessidade dos professores ser um pensador, alguém reflexivo, que faça uso da própria duvida para criar alternativas.
 

* Atividade acadêmica em cumprimento da disciplina Avaliação no processo ensino aprendizagem, do curso Licenciatura em Filosofia - agosto de 2012.

 

Ismael Filgueira da Silva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Meu marido quer separar de mim! (carta)

Bom dia pastor Ismael. Começo dizendo a vc do meu desespero pois eu nao sei oque fazer,meu marido quer si separar de mim diz que nao sente mais amor. e eu estou completamente desesperada,to perdida sem chão,eu estou frequentando a restauração mais nao converso com ninguém la,nao tenho discipuladora,na verdade nao tenho ninguém nem família,a unica pessoa que eu tenho na vida e ele.  pastor ele comecou a ficar diferente desde que eu fiz um coisa no cabelo,ele passou a me olhar diferente,e tambem desde que comecou a fazer faculdade,ele eh muito influenciável meu marido ele ve alguns de seus amigos solteiros,ou com namoradas de carro ou fazendo faculdade parece assim quer dizer,eu tenho sentido que agora sou pouco p ele sabe.e cada dia ele se afasta mais,nao me toca mais como mulher de uns dias pra ca. ele disse sabado que queria se separar,entao eu chorei muito e disse a ele que deus ia ajeitar tudo,ele disse que deus nao ia fazer ele voltar a gostar de mim ou me amar novamente,pois ele sabi…

O QUE HÁ DE ERRADO COM O "ENCONTRO COM DEUS".

Participei pela primeira vez do “encontro com Deus” (retiro espiritual) em agosto do ano 2000. A partir de então participei ativamente de vários encontros trabalhando, orando e ministrando para as pessoas que participavam pela primeira vez (encontrista). Logo de imediato pude perceber algumas falhas teológicas e outras de organização. Porem, não tive condições de fazer alguma coisa, pois o sistema era fechado, não permitindo que opiniões fossem dadas. Naquela época eu era apenas o professor da escola dominical e líder do grupo de louvor. Com o passar do tempo me tornei pastor. Cansado de enviar os irmãos de nossa igreja para os encontros de outros pastores, passei a liderar nossos próprios encontros. Finalmente pude fazer algumas mudanças que sempre achei necessária, mas encontrei dificuldades, pois a “visão” é muito fechada.
Minha esposa e eu formamos uma equipe e realizamos vários encontros. Levamos um total de centenas de pessoas para esse retiro. No entanto, deixando de lado o qu…

O desafio da liderança espiritual (esboço).

Liderança em qualquer lugar é um desafio. Onde existir um grupo de pessoas se fará necessária a presença de um líder. Josué, desde cedo foi muito bem treinado por seu mentor Moises. No entanto, a ideia de substitui-lo um dia, o deixava apavorado.

 Js 1. 1-9

I. ALGUMAS LIÇÕES QUE JOSUÉ APRENDEU.

1. Ninguém é insubstituível.

A primeira lição que Josué aprendeu é que ninguém no mundo é insubstituível. Esta é uma verdade incontestável inclusive referente a Moises. Não deve ter sido nada fácil para Josué aprender isto, justamente substituindo o líder que ele cresceu vendo realizando milagres fantásticos. Moises, aos olhos do “garoto” Josué, era alguém sem igual, sem comparação e sem substituição até aquele momento.

2. Nenhum projeto, nenhum ministério pode girar em torno de uma pessoa.

A segunda lição aprendida por Josué é que todo projeto vindo de Deus precisa girar em torno de propósitos firmados em Deus. Ministérios que giram em torno de um líder e, dele dependem para sobreviver, esta…